O projeto


ESP

O projeto

PNG - 181.2 KB
Alumnos de una escuela rural de Enseñanza Primaria

A educação primaria na África se enfrenta a grandes problemas como a carência de professores qualificados ou com um numero excessivo de crianças nas classes, entre outros. Neste sentido, o continente africano tem ante de si, um grande reto: atingir bons níveis de educação para conseguir dotar à população de habilidades de conhecimentos para poder contribuir no desenvolvimento econômico, social e político.

O projeto “Instituto Universitário IEPALA Rafael Burgaleta-Universidad Complutense de Madrid (IU IEPALA-R.B.- UCM), el Instituto Superior de Educação e Tecnologia (ISET) e Instituto Superior de Ciencias de Educación -ISCED (UAN ) promovem excelentes instrutores para professores em Moçambique e Angola” aponta a enfrentar a grave situação sócio-humanitária destes dois países fortalecendo uns dos pilares mais importantes no desenvolvimento: a educação. O projeto é financiado por EDULINK ACP-UE, programa de cooperação de ensino superior.

Moçambique e Angola têm antecedentes históricos similares. No entanto é verdade que para ambos governos o setor da educação é prioritário no plano estratégico nacional e é considerado como um fator importante para combater a pobreza. A situação em matéria educacional é desalentadora. Em Moçambique o “Plano estratégico de Educação e Cultura 2006-2010/11” reflete que a cada ano existe uma carência de ao menos 10.000 professores qualificados. A todo isso se soma: o baixo salário dos docentes, à falta de pessoal devido ao impacto do VIH SIDA, assim como a massificação das aulas. Enquanto na Angola, um território que obteve a paz faz poucos anos. A qualificação dos professores é bem mais baixa que em Moçambique. UNICEF estima que, atualmente, existem ao redor de um milhão de crianças que não assistem à escola.

Neste contexto, o projeto, com uma duração de três anos, aponta a contribuir à consolidação da maestria estratégica nos setores de educação de Moçambique e Angola, através do desenvolvimento de uma educação com alta qualidade para os professores formados, baseado na metodologia de investigação - ação. Deste modo, os futuros formadores têm a capacidade de identificar o problema , definir como será solucionado e então executar a ação.

PNG - 170.5 KB
Estudiantes de una Escuela de Profesores de Futuro (EPF) de ADPP-Mozambique

Neste sentido ISET se centrar na formação de 40 professores- instrutores, os quais estarão fortemente vinculados às escolas primarias. Durante este processo, a IU IEPALA-R.B. , UCM e ISCED (ex UAN) desempenham um papel importante com suas contribuições teóricas e práticas nos cinco módulos de investigação e acção dentro do currículum de futuros formadores. A soma de todas as experiências, documentos que gerem as formações se utilizará para criar a possibilidade no estabelecimento da mesma educação em Angola, com o fim de que possa ser ensinada a bem mais formadores de professor e ao mesmo tempo reduzir o custo educativo.